everis aponta fatores que um CEO de seguros deveria considerar para obter bons resultados em 2019
segunda-feira, 22 Abril, 2019

Com destaque para a necessidade de fazer uma verdadeira transformação digital, visando tornar os processos mais ágeis, simples e inteligentes para oferecer novos produtos a perfis de clientes cada vez mais diversificados

A  everis, multinacional de consultoria que oferece soluções de estratégia e de negócios, recentemente, fez um estudo sobre os principais fatores que determinarão o futuro do setor de Seguros no Brasil e em outras economias da América Latina.

“O mercado de seguros nacional ainda tem muito a evoluir para diversificar seus produtos e oferecer aos consumidores uma jornada mais interessante e proveitosa, com características mais adequadas às suas necessidades e expectativas. Por isto, penso que é importante apresentar aos CEOs das seguradoras fatores identificados que serão determinantes para o sucesso nos negócios neste e nos próximos anos”, afirma Roberto Ciccone, sócio da everis responsável pela Prática de Seguros na região Américas. 

O primeiro fator é ser capaz de oferecer ao cliente uma experiência 100% digital, ou seja, dar ao cliente as ferramentas necessárias para que faça subscrição, incorporação, assinatura digital e inicie os sinistros on-line, além de possibilitar que faça sugestões e reclamações on-line. Quanto mais o cliente interagir digitalmente com a empresa, mais rica se tornará a base de dados, o que permitirá à empresa ter um perfil mais completo e assertivo de cada um dos seus consumidores e, por consequência, a criação e oferta de produtos mais personalizados.

As empresas de seguros também precisam, como segundo fator, reforçar os canais digitais– com a utilização, por exemplo, de robôs para fazer a aproximação do segurado com o corretor – e oferecer escritórios phygitais (físico + digitais) em sua rede de agências na banca seguros e ter uma verdadeira transformação com marketing digital para a rede. 

Só assim será possível identificar necessidades diferenciadas para experimentar novos produtos – ou seja, seguros peer-to-peer (P2P), microsseguros ou seguros sob demanda e soluções de cibersegurança baseados em IoT. “Outra área na qual será possível inovar muito é a de saúde digital, com investimentos mais efetivos em telemedicina, gestão de consultas e de pacientes crônicos, bem como serviços de assistência remota”, destaca Ciccone.

Segundo ele, para isto, é preciso também que a seguradora tenha dados assertivos de toda a cadeia de valor - da inteligência empresarial (BI) ao BigData, para que tenha uma visão do consumidor 360 graus e possa utilizar soluções analíticas avançadas para prevenir e detectar fraudes, além de Big Content. O executivo reforça ainda que é preciso adequar-se e aproveitar os investimentos para as novas regulamentações para melhorar conhecimento completo sobre o cliente e seus riscos. 

Outro fator que pode ser utilizado como diferencial pelo CEO é a adoção de um programa de transformação cultural, incentivando o público interno e da cadeia de valor a empreender, viabilizar o conceito de agilidade no negócio e fazer gestão inteligente do conhecimento. “Desta forma, é possível investir em uma organização ambidestra, que observa diferentes tendências para construir cenários potenciais e explorar modelos de incubadoras de projetos e de colaboração com startups a fim de inovar e destacar-se da concorrência, enquanto continua mantendo a operação”, explica Ciccone.
 
Todos os fatores reforçam a necessidade de ter processos simples, propiciados por uma maior automação com uso de robôs (RPAs) + soluções cognitivas, blockchain e contratos inteligentes para automatizar os processos. Essencial, também é a aceleração da transformação de TI – utilizando Agile + DevOps, cloud, modelo de aceleração de projetos, integração e arquitetura modular, além de aplicar inteligência artificial – com Chatbots e roboadvisors para atendimento interno.

Só assim será possível otimizar as vendas pela internet, para oferecer um modelo mais coerente com as novas gerações de consumidores millenials, que são mais práticos e exigentes quando se trata de suas questões específicas, além de serem sensíveis a preços. “Com esta finalidade, é interessante ter um gerenciador de sites comparativos e estratégias de marketing digital avançadas”, reforça o executivo da everis

Ciccone conclui afirmando que “a observação de todos estes fatores exige especial atenção do CEO e do C-Level das companhias de seguro para que a transformação digital seja bem-sucedida e estratégica para o crescimento dos negócios, da fidelização dos clientes e da lucratividade. ”